sábado, 14 de maio de 2011

HAIKAI - PEQUENA GRANDE POESIA

 Haikai... trata–se de pequenos poemas de origem japonesa. Com apenas três linhas, e tendo como foco a objetividade e a concisão, os Haikais nem por isso perdem a beleza ímpar, e soam como os antigos ditados da sabedoria popular. Confesso que durante toda a minha vida de poeta, jamais consegui compor Haikais de valor, mesmo no estilo mais livre da língua portuguesa. Mas como a inspiração nos surge às vezes sem que sequer o percebamos, ou mesmo peçamos, eis que me vi, como que do nada, escrevendo Haikais livres, sem rimas ou métricas. E já que esse blog também é destinado à poesia, queria deixar você, meu amado leitor, com o que é a primeira safra de Haikais de minha autoria. Peço perdão pelo mau jeito, por ser uma forma de arte na qual não sou versado, mas espero que os versos sejam de algum valor, que possam ser apreciados. Lembrem apenas que cada grupo de três linhas constitui um poema independente, com começo, meio e fim próprios.

Amor: subversão da matemática
Simbiótica comutatividade
Multiplica-se ao ser dividido

A nau se afasta
Afasta-se o horizonte
Encontros que acontecem no infinito

Assim a flor
Como quem viu um anjo
Se despediu da borboleta

Do alto do monte
Chora o alpinista
Não alcançou as estrelas

Que dizer das flores
Se o que nos marca
Sempre são os espinhos?

E no mar da vida
O pescador lança a rede
Nela seu sonhos se debatem

Silêncio
Canção que se faz pausa
Para que cantem os olhares

Eram mãos insensatas
Choraram em vermelho:
A rosa tinha espinhos

O poeta se cala
Poesia que vaga
Buscando a musa

Suave mansidão
A gaivota plana
Sobre um lençol azul

E o jovem cosmonauta
Percebe com pesar
A Terra era azul

Folhas ao chão
E o outono cinza
Desbota o verde olhar

Saudando a Lua
Luzem vaga-lumes
Que sonham ser estrelas

Tímida poesia
De olhos que evitam
O encontro do olhar

2 comentários:

Leonardo Coreicha disse...

Grande Camarada,
Amigo da vida,
Da poesia, e da Brahma gelada.

Rosana disse...

lindo, lindo, lindo...
Poeta!
Bj,
Rosana